TarifaZero.org

uma cidade só existe para quem pode se movimentar por ela

Siga-nos no Twitter Acesse o nosso Flickr Siga-nos no Facebook Acesso o nosso Vimeo Feed


Um projeto de Tarifa Zero para o Distrito Federal

janeiro 30, 2015 por: admin categoria: artigos

por Paulo Cesar Marques da Silva*

No dia 23 de janeiro o Movimento Passe Livre do Distrito Federal protocolou no Palácio do Buriti e na Câmara Legislativa uma proposta de projeto de lei que institui a Tarifa Zero para o transporte coletivo local. Pelo menos foi assim que deram a notícia os poucos veículos de comunicação que se dignaram a fazê-lo. A realidade, no entanto, é que a proposta vai bem além da eliminação do pagamento do serviço pelo usuário.

A Tarifa Zero entrou na agenda do GDF a partir das jornadas de rua de 2013. O ex-governador Agnelo Queiroz e os ex-secretários de transportes, José Walter Vásquez, e de governo, Gustavo Ponce de Leon, comprometeram-se com o debate e a análise da proposta, eventos foram realizados, um grupo de trabalho foi constituído no âmbito do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, mas nada de concreto evoluiu. continua →

marcadores: ,

[Floripa] Faixa exclusiva

janeiro 30, 2015 por: khaled categoria: khaled

Três dias após o 3º Ato Contra o Aumento da Tarifa, no qual manifestantes ocuparam a Avenida Beira Mar Norte e lá pintaram uma faixa exclusiva para ônibus, a prefeitura de Florianópolis anunciou um programa de obras “para melhorar a mobilidade urbana na cidade”. Com um custo total de R$ 750 milhões, o pacote inclui a construção de 17 quilômetros de faixa exclusiva para ônibus, que irá demorar três anos para sua conclusão.

Segundo o prefeito, essa será “a maior intervenção já feita na história do transporte coletivo de Florianópolis”. Enquanto isso, o Movimento Passe Livre Floripa e a Frente de Luta pelo Transporte fizeram, em menos de um dia, 2 quilômetros de faixa exclusiva para ônibus, gastando menos de R$ 100,00 e usando seus próprios recursos. Quem são os verdadeiros vândalos?

Veja aqui um vídeo do Ato e da pintura da faixa exclusiva.

Coletiva da prefeitura de Maricá sobre o primeiro mês de operação da empresa pública de transporte com tarifa zero

janeiro 29, 2015 por: admin categoria: vídeos

Vídeo institucional da prefeitura de Maricá sobre a empresa pública de transporte e a tarifa zero após um mês de operação.

Subsidiar a tarifa nos transportes públicos urbanos. Questão de governo ou de gerenciamento?

janeiro 28, 2015 por: lucio_gregori categoria: lúcio gregori

por Lúcio Gregori (publicado ontem no UOL)

O governo recentemente anunciou aumentos da Cide e do PIS/Cofins da gasolina, do IOF em empréstimos e financiamentos para pessoa física, ajustes em benefícios – como seguro desemprego -, e aumento na taxa de juros (de 11,75% para 12,5 %).

Com essas medidas, o ministro da Fazenda diz ser necessário cortar subsídios. Convém lembrar que há subsídios e subsídios, como diria o conselheiro Acácio, personagem de “O Primo Basílio”, de Eça de Queiróz. De quais subsídios fala Joaquim Levy?

Em Davos, ele declarou que “a maioria das pessoas no Brasil está preparada para pagar por serviços”, tendo acrescentado: “as manifestações de 2013 pediam um governo melhor, e não um governo maior”.

Será que o ministro entendeu mesmo a voz das ruas? Por que os bancos, os milionários, as altas rendas, as grandes fortunas, as heranças volumosas, os iates e os jatinhos não sofrerão ajuste tributário? continua →

Tarifa zero paga pelos ricos

janeiro 27, 2015 por: admin categoria: imagens

por Ingrid Laís

Aula pública no Anhangabaú: Tarifa Zero já!

janeiro 26, 2015 por: lucio_gregori categoria: lúcio gregori, vídeos

por Movimento Passe Livre São Paulo

Um dia antes de entrar em vigor a nova tarifa de R$3,50, decretada por Haddad e Alckmin, centenas de pessoas se reuniram para participar de uma aula pública sobre transportes no centro da cidade. O evento, marcado para em frente à Prefeitura, mudou para debaixo do Viaduto do Chá devido à chuva.

Esteve presente Lúcio Gregori, engenheiro que foi Secretário de Transportes de São Paulo no início dos anos 1990 e trabalhou, na época, na elaboração de um projeto de Tarifa Zero e municipalização dos ônibus da capital. A Tarifa Zero se mostrou perfeitamente viável do ponto de vista técnico e econômico, mas não foi implementada por falta de vontade político. continua →

Entrevista com o professor Werner Kraus, sobre o trasporte público de Florianópolis

janeiro 26, 2015 por: admin categoria: vídeos

Entrevista com o professor Werner Kraus, sobre o trasporte público de Florianópolis. from Vinicius (Moscão) on Vimeo.

por Vinicius Possebon

Entrevista com o professor Werner Kraus Junior sobre o aumento das tarifas em Florianópolis, construção do teleférico e sobre a proposta de tarifa zero.

Werner Kraus Junior é professor no Departamento de Automação e Sistemas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e dedica-se à pesquisa em engenharia de tráfego, principalmente nos temas ligados ao transporte público.

marcadores:

Sucinto

janeiro 24, 2015 por: admin categoria: vídeos



Em menos de um minuto o Khaled, do MPL Floripa, resumiu muitas das questões centrais em jogo nessa caminhada rumo à tarifa zero. Uma entrevista atemporal, pelo menos até conquistarmos o novo modelo de transporte voltado para a vida da população e não para os negócios.

Docentes da UFRJ defendem a tarifa zero

janeiro 22, 2015 por: admin categoria: imagens

Ao lado do ex-Canecão, na zona sul do Rio, painel da Seção Sindical dos Docentes da UFRJ reforça campanha que, com os recentes aumentos nas tarifas dos transportes públicos, volta a embalar protestos em várias cidades do país. Em 2013, vale lembrar, a indignação popular diante do reajuste das passagens de ônibus, trem e metrô deu início às grandes manifestações daquele ano.

Fotos: Kelvin Melo

Retirado da página https://www.facebook.com/adufrj.ssind

 

Mobilidade urbana como um problema

janeiro 21, 2015 por: admin categoria: artigos

por Lucas Legume

Recentemente temos visto a questão da mobilidade urbana ganhar destaque nas discussões sobre a cidade. Parece existir um amplo consenso sobre a necessidade de permitir a melhor circulação das pessoas, resolvendo os problemas de trânsito caótico, diminuindo o tempo gasto em deslocamentos, ampliando as infraestruturas urbanas. Contudo, se pretendemos discutir mobilidade urbana a sério, é necessário ultrapassar aquele consenso e perceber como as contradições sociais presentes na cidade se expressam nesta temática. continua →

Agora iremos para onde quisermos, quando quisermos e com quem quisermos

janeiro 21, 2015 por: camarada_d categoria: daniel guimarães

Antes de conquistarmos essa coisa louca que é a tarifa zero, cada um e cada uma de nós era forçado pelo sistema do tédio e da exploração na vida urbana à apenas esta série de passagens obrigatórias: o transporte para a escola ou o trabalho, a deprimente caminhada da tarde rumo aos lugares de consumo, em que se consome aquela mercadoria de massa que é o tempo livre.

A própria existência era assim vivida em espaços fechados, predefinida pelos próprios espaços. E não existia a possibilidade, dentro da sua utilização “convencional”, de sair do esquema já definido. Catracas. Abstratas, mesmo sendo concretas. Agora iremos para onde quisermos, quando quisermos e com quem quisermos.

Transporte público sem tarifa em Tallinn, na Estônia

janeiro 20, 2015 por: admin categoria: artigos

por Ana Lara Schlindwein, Gabriel Andrade e JG

A cidade de Tallinn, na Estônia, foi a primeira capital do mundo a implementar um sistema de tarifa zero no transporte coletivo. Ainda que não seja algo novo, pois a gratuidade já existe em outras cidades pelo mundo [1] [2], esse é um caso de destaque: Tallinn é um grande centro urbano, com uma população de 430 mil habitantes, e a capital de um país membro da União Europeia.

O sistema de transporte começou a funcionar sem tarifa em 2013, após um plebiscito com todos os moradores da cidade, onde a opção pela gratuidade venceu com 75,5% dos votos. Segundo a prefeitura de Tallinn, dentre os principais objetivos estava, primeiramente, reduzir os congestionamentos. Além disso, cientes dos impactos ambientais e para a saúde humana, a poluição do ar também era uma preocupação [3]. Após alguns meses da implementação da medida, como observou a prefeitura, o uso do transporte coletivo aumentou cerca de 20%, seguido de diminuição proporcional do uso de carros [4], embora os dados sejam contestados. Estudos de longo prazo sobre as consequências da medida adotada em Tallinn vêm sendo realizados por pesquisadores do Instituto Real de Tecnologia da Suécia e estão previstos para publicação no final do ano. [5] continua →

Dois anos depois: afinal, era por vinte centavos?

janeiro 16, 2015 por: admin categoria: artigos

por Pablo Ortellado, para El País

Escrevemos a narrativa que constitui o cerne deste livro durante o mês de julho de 2013, poucas semanas após o auge dos protestos de junho. Embora, à época, muitos tenham julgado que não teríamos “distanciamento histórico” para um balanço fundamentado, continuo achando, dois anos depois, que fizemos um bom trabalho e que muitas das informações e percepções que recuperamos e registramos, no calor dos acontecimentos, dificilmente seriam acessíveis muito tempo depois.

A nossa principal motivação para escrever o livro não era apenas analisar de uma perspectiva política a luta contra o aumento, mas intervir e disputar, desde o princípio, a historiografia sobre “as manifestações”. continua →

marcadores:

Vou responder para a SPTrans sim. Para o prefeito Fernando Haddad também

janeiro 15, 2015 por: grazi categoria: blogs, grazi

por Graziela Kunsch

Ontem, dia 14 de janeiro, recebi um email da SPTrans que tinha como remetente “Não responda” (no lugar onde aparece o nome de quem envia o email) e “[email protected]” como endereço de email. O texto do email era assinado pelo secretário municipal de Transporte de São Paulo, Jilmar Tatto, e defendia o uso do bilhete mensal, argumentando que ele é mais barato que o bilhete único comum. O que o secretário esqueceu de mencionar nesse email é que o bilhete mensal só ficou “mais barato” porque a prefeitura e o governo do estado aumentaram as tarifas nos ônibus, trens e no metrô em 50 centavos e deixaram o bilhete mensal – que tinha apenas 1% de adesão da população – congelado. Como resumiu o professor de políticas públicas Pablo Ortellado, “Bilhete mensal: antes era caro, agora ficou barato. Mas é o mesmo preço. Entendeu?”. Daniel Guimarães, aqui do TarifaZero.org, comparou a “promoção” do bilhete mensal com os preços da Black Friday no Brasil: “Tudo pela metade do dobro”. Também é divertido ler as respostas que o twitter do prefeito recebeu no dia 9. Enquanto acontecia o primeiro grande ato contra a tarifa, no centro da cidade, com aproximadamente 20 mil pessoas nas ruas, o prefeito comemorava um suposto aumento de 1.000% de adesão ao bilhete único. Por que será, né, prefeito?

Mas a minha maior motivação para escrever este pequeno texto foi a entrevista que Fernando Haddad deu para Kiko Nogueira, no Diário do Centro do Mundo. Não poderia deixar de comentá-la e respondê-la. continua →

Derrubando mitos sobre os gastos do transporte público

janeiro 14, 2015 por: admin categoria: artigos

por Bruno Mandelli Perez

Toda vez que volta à pauta o aumento das tarifas de ônibus, voltam também a circular mitos sobre o assunto. Os prefeitos apresentam argumentos falaciosos, que são reproduzidos acriticamente pela imprensa. A principal linha dessa campanha de desinformação é contrapor os gastos públicos com transporte coletivo aos orçamentos da saúde e da educação, como se a elevação de um implicasse necessariamente na redução dos outros. Essa visão, que parece “sábia”, “séria”, “responsável” na verdade é simples desconhecimento técnico – ignora os ganhos de eficiência associados, no médio prazo, ao transporte coletivo barato ou gratuito, ignora os amplos subsídios que hoje existem ao transporte individual etc. Uma segunda linha consiste em lançar dúvidas a respeito de quem realmente arca com o custo da tarifa, o que geral é feito pela superestimação do efeito protetor do vale transporte. Longe de querer esgotar o assunto, que é amplo, seguem alguns comentários a respeito. continua →