Gastos com transportes equivalem aos de alimentação, nota IBGE

Os brasileiros já gastam tanto com transporte quanto com alimentação, uma situação até então inédita no país. A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009, divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que o gasto médio com alimentação no país é de R$ 421,72, ou 16,1% dos gastos totais (R$ 2.626,31), enquanto o custo do transporte no orçamento familiar atingiu R$ 419,19, ou 16% do total.

A coordenadora da POF, Márcia Quintslr, diz que uma menor pressão de preços dos alimentos pode ter levado a uma equalização inédita com os gastos com transporte.
O pesquisador do IBGE, Edilson Nascimento, observa que aumentou, nos últimos anos, o acesso aos serviços de transporte, o que, aliado à ampliação da renda, contribui para os gastos mais elevados com deslocamento, inclusive com a compra de veículos.

“A ampliação da renda permite a compra de bens automotivos. Os aumentos de preços do combustível também mudaram o perfil de gastos”, destacou Nascimento.
A POF mostra ainda que, quanto maior o rendimento médio, mais alto o percentual destinado aos transportes e menor a fatia de renda comprometida com alimentação. Entre as famílias com ganho mensal de até R$ 830, as despesas com alimentação representaram 27,8% do total de gastos, ante 8,5% para os domicílios com rendimento superior a R$ 10.375.
No caso do transporte, as famílias com rendimento menor destinaram 9,7% para o deslocamento, percentual que sobe para 17,7% nos estratos de maior rendimento.

O maior gasto médio das famílias continuou, no entanto, com o grupo habitação, que respondeu por R$ 765,89, ou 29,2% do total. O aluguel respondeu por 12,8%, seguido por serviços e taxas, com 7%; eletrodomésticos, com 2,1%; e mobiliários e artigos do lar, com 1,8%.

Retirado de http://bsb-in-transitu.blogspot.com/2010/06/gastos-com-transportes-equivalem-aos-de.html que, por sua vez, retirou de http://www.valoronline.com.br/?online/indicadores/22/6337081/gastos-com-transportes-equivalem-aos-de-alimentacao,-nota-ibge

Floripa: Seminário “Mobilidade e Qualidade de Vida”, dias 05 e 06 de julho

O evento será imperdível, principalmente pela presença de Lúcio Gregori, que foi secretário de transportes da cidade de São Paulo e idealizador da Municipalização e do projeto Tarifa Zero. Sem dúvida é uma ótima oportunidade para tirarmos nossas dúvidas e dividirmos reflexões sobre o tema.

Na sequência das grandes mobilizações de rua contra o último aumento nas tarifas do transporte público, que mexeram no cotidiano da cidade nos meses de maio e junho, colocando mais uma vez em pauta a questão do transporte público e mostrando que a população quer voz e poder para mudar a lógica desse modelo falido que se arrasta em crise há pelo menos uma década. Por isso, a iniciativa do PET de Geografia Urbana da Udesc e do pessoal do comitê Interuniversitário do Plano Diretor Participativo veio numa excelente hora.

Se as mais de 5 semanas de manifestações não conseguiram fazer com que o aumento das tarifas fosse revogado, por outro lado conseguiu mais do que isso, deixando claro que a luta não é só contra o aumento, mas contra a existência da tarifa e contra as concessões, que privatizam o transporte público e transformam um serviço público, direito de todos, numa mercadoria e numa forma de excluir e controlar socialmente aqueles que necessitam do transporte coletivo para se deslocar na cidade.

Sem um serviço de transporte verdadeiramente público, fora das mãos dos empresários e atendendo aos interesses da população, não dá para conferir mobilidade, muito menos qualidade de vida, não é mesmo?

Nos vemos lá!!!

Veja no site do evento a programação completa e mais informações: http://seminariomobilidadeurbana.wordpress.com/