Vivendo desempregado

Música da banda inglesa de punk rock Newtown Neurotics, lançada no disco Beggars Can Be Choosers, de 1983. A letra dispensa explicações, um relato fidedigno da situação de um desempregado em Londres no final dos anos 1970 e início dos anos 1980. Precisavam até pular catraca para economizar uns trocados (menos mal que rolava seguro desemprego, aqui a coisa seria um tiquinho mais complicada).

Tava morando numa cidade nova
Tinha problemas com meus pais
Então me mudei para Londres
Onde disseram que as coisas estavam acontecendo… ladeira abaixo!

Morando numa quitinete
Pulando a catraca do metrô  Continue reading “Vivendo desempregado”

Movimento Passe Livre avisa: reduzir subsídio ao transporte trará aumento nas tarifas

Na segunda-feira, 10 de dezembro, o Movimento Passe Livre de São Paulo (MPL) foi à Câmara de Vereadores dar uns pitacos sobre como deve ser o Orçamento Municipal de 2013. Atentos, ficaram espertos nas previsões feitas e viram que havia R$ 300 milhões a menos destinado às “compensações tarifárias” (o famoso subsídio, que serve para aliviar um pouco o preço da tarifa, mas que não altera a estrutura do sistema baseado em concessões privadas e na cobrança dos usuários, tal como uma mercadoria qualquer, para sustentar o “equilíbrio econômico-financeiro” das empresas, um horror). Bom, subsídio menor significa aumento nas tarifas. Com isso o MPL não irá concordar e já está se organizando para preparar manifestações de resistência ao iminente reajuste.

Apesar de não terem o direito à fala concedido, o MPL protocolou uma carta (vá até o fim do post) exigindo que o subsídio seja mantido em R$ 960 milhões – números de 2012 – e não perderam de vista a natureza da contradição do sistema de transporte tarifado, argumentando que “todo aumento de tarifa é uma decisão política e não um problema técnico. Continue reading “Movimento Passe Livre avisa: reduzir subsídio ao transporte trará aumento nas tarifas”

[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Governo anuncia ciclopassarela de R$ 80 milhões

do G1

O governo de São Paulo vai apresentar na quinta-feira (13) o projeto de uma ciclopassarela que vai ligar a Cidade Universitária, na Zona Oeste da capital, às margens do Rio Pinheiros e ao Parque Villa-Lobos. Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano, a obra tem custo estimado em R$ 80 milhões e faz parte do Plano de Requalificação Urbana e Social das Marginais do Sistema Tietê-Pinheiros. Continue reading “[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Governo anuncia ciclopassarela de R$ 80 milhões”

[Não tem dinheiro pra tarifa zero?]

por Lívia Sampaio, da Folha

A avenida Paulista, polo da decoração natalina paulistana por onde passam 1,5 milhão de pessoas por dia, em média, ganhou uma novidade: 80 árvores sintéticas de LED de cerca de 4 m de altura. Os modelos foram instalados ao longo do canteiro central pela prefeitura.

“De relance, parece que a cidade está mais arborizada, mas é um simulacro. Impossível engolir”, afirma o botânico Ricardo Cardim, que mantém o blog Árvores de São Paulo. Segundo ele, a instalação de árvores reais, além de mais barata –R$ 500 por unidade, no máximo, com frete e mão de obra–, é “superviável” no canteiro central da avenida, desde que sejam utilizadas espécies de raízes não agressivas. “Isso sim seria um presentão de Natal para cidade. Agora, esses palitos de plástico não dá para entender.” Continue reading “[Não tem dinheiro pra tarifa zero?]”

[MS] Prefeito de Dourados leva a ministro projeto de R$ 52 milhões para pavimentação de ruas

do Jornal Agora MS

O prefeito Murilo acompanhou esta semana em Brasília vários projetos encaminhados ao Ministério das Cidades, entre eles o de pavimentação e qualificação de vias urbanas, no valor de R$ 52.711.063,07, sendo 49.911.063,07 do governo federal e R$ 2,8 milhões de contrapartida do município. Esse projeto foi protocolado no dia 31 de julho de 2012, na Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Continue reading “[MS] Prefeito de Dourados leva a ministro projeto de R$ 52 milhões para pavimentação de ruas”

[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Em licitação do VLT de Cuiabá, governo contrata 2ª proposta mais cara e gasta R$ 7 mi a mais

por Rodrigo Mattos e Vinícius Segalla, do UOL

Utilizando as regras mais flexíveis para licitações da Copa do  Mundo de 2014, o Governo do Estado de Mato Grosso escolheu a segunda proposta mais cara em cinco disponíveis para fazer a supervisão das obras do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) em Cuiabá. Se for confirmada a contratação, o Estado pagará R$ 47 milhões às construtoras Planiserv e Sondotécnica pelo serviço, R$ 7 milhões a mais do que a menor oferta feita na concorrência.

A construção do VLT na cidade do Centro-Oeste já está cercada de suspeita. O UOL Esporte mostrou que o consórcio vencedor da licitação para a obra principal já era conhecido antes do final do processo e que há uma denúncia de propina de R$ 80 milhões. Investigada por MPF (Ministério Público Federal), MP-MT (Ministério Público de Mato Grosso) e Polícia Civil do Estado, a obra está orçada em R$ 1,47 bilhão. Seu custo vai ultrapassar R$ 1,5 bilhão com a nova contratação, quase o triplo da Arena Pantanal, estádio que está sendo construído para a Copa na capital matogrossense. Continue reading “[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Em licitação do VLT de Cuiabá, governo contrata 2ª proposta mais cara e gasta R$ 7 mi a mais”

Negros gastam mais tempo para se deslocar de casa para o trabalho, aponta IBGE

do UOL

Como uma possível causa para o aumento do tempo de deslocamento dos brasileiros entre a residência e o trabalho, a pesquisa do IBGE cita o desenvolvimento interno e a política de incentivo à indústria automobilística – sobretudo por meio da redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) –, o que provocou maiores congestionamentos e mais lentidão para os motoristas.

Os brasileiros demoram cada vez mais para chegar ao trabalho. A Pesquisa Síntese de Indicadores Sociais, divulgada nesta quarta-feira (28) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostra, no entanto, que pretos e pardos (na classificação do IBGE, pretos e pardos são subdivisões raciais que representam os negros) demoram mais para fazer o trajeto casa-trabalho. Esta situação foi constatada em todas as regiões do país.

Os percentuais mais acentuados aparecem no Sudeste, onde 11,4% dos brancos levam mais de uma hora no deslocamento e 15,3% dos pretos e pardos se encontram na mesma situação. Na região metropolitana de São Paulo, estes percentuais sobem para 21,2% para os brancos e 26,9% para os pretos e pardos. Na cidade, somente 41,4% dos brancos e 36% dos pretos e pardos conseguem chegar ao trabalho em menos de 30 minutos. Continue reading “Negros gastam mais tempo para se deslocar de casa para o trabalho, aponta IBGE”