Oito anos de Movimento Passe Livre

Conforme lembrado pelo perfil do MPL São Paulo no Facebook:

Em 29 de janeiro de 2005, no V Fórum Social Mundial, foi realizada a “Plenária Nacional pelo Passe Livre”, reunindo militantes que em todo país se organizavam para lutar pelo passe livre estudantil, inspirados pela experiência da Revolta do Buzu (Salvador, 2003) e pelas conquistas da Revolta da Catraca (Florianópolis, 2004). Ali foi fundado o Movimento Passe Livre (MPL): uma federação nacional de coletivos municipais que, sob os princípios da autonomia, apartidarismo, independência e horizontalidade, lutam por um transporte público sem catracas.

Ao longo dos anos, o MPL abandonou sua reivindicação inicial – o passe livre só para estudantes -, e passou a defender um novo modelo para o sistema de transportes como um todo: o fim da cobrança de tarifa (“Tarifa Zero”) e o controle do sistema pelo poder público, com participação popular.

Oito anos depois, a luta continua!

leia: http://tarifazero.org/http://passapalavra.info/?p=46384 |http://revoltadacatraca.wordpress.com/
assista: http://vimeo.com/50301453 |http://www.youtube.com/watch?v=K4vK_w4_OEQ |http://www.youtube.com/watch?v=cjce9zmIxtc

Cobertura do evento no Centro de Mídia Independente: http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2005/02/306121.shtml

Ciclo de Debates Pensando São Paulo: mobilidade urbana

por Lúcio Gregori

As cidades são o lugar de convivência e uma das mais notáveis tentativas humanas de refazer o mundo para melhorar as suas condições de vida. Nelas, a mobilidade das pessoas é fundamental para o convívio, tanto pelo modo como se deslocam como pela possibilidade de fazê-lo. Os modo coletivos ou individuais resultam em diferentes formas de relacionamentos interpessoais e, conforme o modo de custeio dos serviços e dos níveis de renda existentes, será ou não possível realizar todos os deslocamentos para a plena fruição da cidade. Não por outra razão chamamos de cidadania, que vem da palavra cidade, o exercício e o gozo dos plenos direitos democráticos e republicanos.

São Paulo 2012, cidade-país contida numa região metropolitana, é resultado de dezenas de anos de políticas de uso do solo centradas numa indústria imobiliária de grandes corporações e de especulação, e de políticas de mobilidade centradas no transporte individual motorizado em detrimento do coletivo, do pedestre e modos não motorizados. Assim, seu espaço urbano e viário é utilizado de forma francamente antidemocrática, prejudicando, se não impedindo o convívio e, ao contrário: transformando-o em disputa. Continue reading “Ciclo de Debates Pensando São Paulo: mobilidade urbana”

[São Paulo] Avenida Dr. Arnaldo, 16 de outubro de 2012, 15h02

Foto: Alexandre R. Pereira
[clique na imagem para ampliar]

Destacamos com a imagem de hoje da seção cotidiano uma passagem do post anterior (texto 459 anos: celebrando a maior crise urbanística da história da cidade de São Paulode Raquel Rolnik): “Até os anos 1920, o transporte era coletivo e sobre trilhos – bondes e trens. Em 1933, a cidade tinha uma rede de bondes com 258 km de extensão, três vezes maior do que a extensão atual do metrô, em uma cidade com, então, 888 mil habitantes”. Mais metrô, por favor!

Continue reading “[São Paulo] Avenida Dr. Arnaldo, 16 de outubro de 2012, 15h02”

459 anos: Celebrando a maior crise urbanística da história da cidade de São Paulo

por Raquel Rolnik

O aniversário da cidade é sempre uma oportunidade para balanços: como a cidade é vista e vivida por seus moradores? Temos algo a comemorar? Como se trata de São Paulo, a maior e mais contraditória cidade brasileira, o discurso da pujança, do poder, da diversidade, da energia e da intensa dinâmica (e outros consagrados superlativos) esbarra numa espécie de mal-estar generalizado em relação a sua condição urbanística. Usufruir da cidade é uma espécie de corrida de obstáculos cotidiana na qual é necessário abstrair a poluição, o trânsito, o congestionamento, os buracos, os atropelamentos, a enchente, a feiura e o descaso que atingem – evidentemente com intensidades muito diferentes – o conjunto das pessoas que vivem e circulam na cidade.

A (i)mobilidade parece ser o sinal mais evidente da crise e, de fato, não se trata apenas de uma “percepção”, mas da realidade de um sistema de transporte e circulação totalmente incompatível com os fluxos da cidade. Na verdade, a situação atual da mobilidade nada mais é do que a crise de uma política urbana constituída exatamente para enfrentar a primeira grande crise urbana que São Paulo viveu, na década de 30. Continue reading “459 anos: Celebrando a maior crise urbanística da história da cidade de São Paulo”

$etransp anuncia aumento da passagem em Aracaju R$ 2,65

por Movimento Não Pago

Contribua conosco e assine essa petição contra o aumento da tarifa, a ser endereçada ao Ministério Público Estadual e ao Prefeito de Aracaju.
http://www.avaaz.org/po/petition/NAO_ao_aumento_da_passagem_SIM_a_licitacao_d…

As empresas de ônibus de Aracaju alegam que os custos aumentaram e que estão tendo prejuízo. Mas omitem todas as informações sobre os custos e lucros do sistema de transporte público. Além disso gastam milhões financiando campanhas eleitorais e patrocinando festas no nosso estado. Também descumprem toda legislação de transporte. Confira mais em: http://movnaopago.blogspot.com.br/

[São Paulo] Estação Barra Funda, 9 de janeiro de 2013, 19h14

Foto: Alexandre R. Pereira
[clique na imagem para ampliar]

O objetivo da seção cotidiano do TarifaZero.org é apresentar uma outra faceta da luta por um transporte que seja público de verdade, mostrando detalhes dos dramas – e também das alegrias – de quem anda de ônibus, trem ou metrô. Queremos contribuir para despertar um sentimento de comunidadesolidariedade entre as pessoas que usam o transporte coletivo. Queremos estimular os leitores e as leitoras a se reconhecerem nas imagens, áudios e vídeos que aqui serão publicados e perceber que somos muitos. Juntos, podemos transformar esse cotidiano radicalmente. Nossa luta pela tarifa zero e pelo transporte público é objetiva e coletiva, mas justificada na subjetividade do impacto que as políticas de transporte provocam em cada indivíduo. Continue reading “[São Paulo] Estação Barra Funda, 9 de janeiro de 2013, 19h14”

[São Paulo] Estação Sé, 9 de janeiro de 2013, 18h53

Foto: Alexandre R. Pereira
[clique na imagem para ampliar]

O objetivo da seção cotidiano do TarifaZero.org é apresentar uma outra faceta da luta por um transporte que seja público de verdade, mostrando detalhes dos dramas – e também das alegrias – de quem anda de ônibus, trem ou metrô. Queremos contribuir para despertar um sentimento de comunidadesolidariedade entre as pessoas que usam o transporte coletivo. Queremos estimular os leitores e as leitoras a se reconhecerem nas imagens, áudios e vídeos que aqui serão publicados e perceber que somos muitos. Juntos, podemos transformar esse cotidiano radicalmente. Nossa luta pela tarifa zero e pelo transporte público é objetiva e coletiva, mas justificada na subjetividade do impacto que as políticas de transporte provocam em cada indivíduo. Continue reading “[São Paulo] Estação Sé, 9 de janeiro de 2013, 18h53”

[São Paulo] Estação Sé, 9 de janeiro de 2013, 18h44


Foto: Alexandre R. Pereira
[clique na imagem para ampliar]

O objetivo da seção cotidiano do TarifaZero.org é apresentar uma outra faceta da luta por um transporte que seja público de verdade, mostrando detalhes dos dramas – e também das alegrias – de quem anda de ônibus, trem ou metrô. Queremos contribuir para despertar um sentimento de comunidadesolidariedade entre as pessoas que usam o transporte coletivo. Queremos estimular os leitores e as leitoras a se reconhecerem nas imagens, áudios e vídeos que aqui serão publicados e perceber que somos muitos. Juntos, podemos transformar esse cotidiano radicalmente. Nossa luta pela tarifa zero e pelo transporte público é objetiva e coletiva, mas justificada na subjetividade do impacto que as políticas de transporte provocam em cada indivíduo. Continue reading “[São Paulo] Estação Sé, 9 de janeiro de 2013, 18h44”

[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Governo paga R$ 10 milhões a consultoria por ‘reposicionamento estratégico’ para Copa de 2014

por Aiuri Rebello

Faltando apenas um ano e meio para o início da Copa do Mundo de 2014, em junho do ano que vem, o Ministério do Esporte contratou, no final de dezembro do ano passado, mais uma consultoria, esta para ajudar a pasta no “reposicionamento estratégico” frente à organização do Mundial da Fifa (Federação Internacional de Futebol Associado). O CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos) receberá R$ 9,8 milhões para subsidiar um “realinhamento das políticas públicas” do ministério para, além da Copa de 2014, a Copa das Confederações (que começa em 15 de junho) e para as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

O contrato, assinado em 23 de dezembro de 2012 sem licitação ou concorrência, possui 18 meses de duração e vai até 22 de junho de 2014. Ou seja, o estudo que irá ajudar o governo a realinhar suas ações para a realização da Copa de 2014 ficará pronto depois do início do Mundial. Continue reading “[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Governo paga R$ 10 milhões a consultoria por ‘reposicionamento estratégico’ para Copa de 2014”

[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Governo vai autorizar R$ 394 mi para obras do Projeto São Francisco

do Terra

O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, assina na segunda-feira, às 9h30, em Salgueiro (PE), uma ordem de serviço no valor de R$ 394,4 milhões para obras do Projeto São Francisco. Os recursos vão permitir o início das obras complementares da Meta 1N, composta por cinco lotes e pelo canal de aproximação.

A ordem de serviço contempla atividades de instalação de canteiro, mobilização imediata de trabalhadores, barragens, passarelas, pontes, canais e túnel. Esta meta tem por objetivo a captação do rio São Francisco no município de Cabrobó (PE) até o reservatório de Jati, no Ceará. Continue reading “[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Governo vai autorizar R$ 394 mi para obras do Projeto São Francisco”

[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Crédito do BNDES bancará até R$ 5,37 bilhões do trem-bala

Por Venceslau Borlina Filho

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) aprovou as condições para financiamento do trem-bala que vai ligar Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro.

O projeto será financiado na modalidade “Project Finance” e terá participação máxima do banco de R$ 5,37 bilhões. A taxa de juro será de 1% ao ano, acrescida do custo financeiro calculado pela TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) e “spread” de risco. O prazo para pagamento será de 30 anos. Continue reading “[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Crédito do BNDES bancará até R$ 5,37 bilhões do trem-bala”

Lição sobre quem deveria financiar o transporte público gratuito

Em Santa Bárbara d’Oeste (SP) o prefeito decidiu que os ônibus serão gratuitos aos sábados. Argumentou ser uma medida para incentivar o comércio. É por isso que há tanto tempo defendemos que o transporte deve ser um direito para todos, e financiado majoritariamente pelo capital (comércio, grandes empreendimentos, rendimentos dos ricos), o verdadeiro beneficiado pelo deslocamento em massa nas cidades.

@camarada_d

[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Após 20 anos, Prefeitura lança pacote bilionário de obras viárias em São Paulo

por Adriana Ferraz e Diego Zanchetta, do Estadão

Com duas décadas de atraso, a Prefeitura de São Paulo vai tirar do papel parte das obras de um novo plano viário para a zona sul, orçado em R$ 1,8 bilhão. Dividido em duas fases, o pacote inicial, que inclui a duplicação de algumas das mais congestionadas vias da capital, como M’Boi Mirim e Carlos Caldeira Filho, deve custar R$ 1 bilhão. Continue reading “[Não tem dinheiro pra tarifa zero?] Após 20 anos, Prefeitura lança pacote bilionário de obras viárias em São Paulo”

Prefeitura de Taboão da Serra revoga aumento de tarifa após protestos

por Passe Livre São Paulo

O prefeito Fernando Fernandes (Taboão da Serra, SP) anunciou hoje que o preço da passagem cairá de R$ 3,30 para 3,00. Segundo a prefeitura, o aumento foi revogado pois o contrato com a empresa prevê um prazo de doze meses entre um aumento e outro e esse prazo não foi respeitado. Porém, mais do que qualquer motivo técnico ou legal para a reversão do aumento, sabemos que ela só aconteceu porque a população se organizou, saiu às ruas para lutar, e assim conquistou essa vitória. Continue reading “Prefeitura de Taboão da Serra revoga aumento de tarifa após protestos”