[São Paulo] Uma conta para Haddad fazer

Será que estou certo? Porque se estiver, francamente, por que não fazer?

O raciocínio é o seguinte.

Baixar a tarifa em 20 centavos, uma das reivindicações das manifestações do MPL e outros movimentos, quanto vai custar?

Segundo o Estadão de ontem, domingo, conferindo as contas da Prefeitura, é possível afirmar que a revogação do aumento da passagem, como reivindicam os manifestantes que tomaram as ruas, exigiria um gasto anual de mais R$ 360 milhões, fazendo com que o subsídio passasse do R$ 1,5 bilhão por ano. É possível, mas seria preciso tirar dinheiro de alguma outra área.

A conta é mais ou menos seguinte:  1,2 bilhão  de passageiros  no semestre que falta em 2013 vezes  0,20 daria 240 milhões de reais.

Mas acreditemos no Estadão: R$ 360 milhões até dezembro de 2013.

O bilhete mensal custará 400 milhões segundo próceres da prefeitura e só será implantado no segundo semestre, por causa dos ajustes no sistema de controle etc. Ou seja, logo mais.

Tal como mostrou o MPL, o bilhete mensal atingirá apenas uma fração dos usuários, que preenchem certas características. Uns 10% do total. Deixo pelo dobro. Mais. Pelo triplo.

Conclusão: Pelo mesmo custo, baixo 0,20 centavos pra todo mundo.

Dá pra entender?

Será que o Haddad fez essa conta?

Nem se diga da proposta do promotor de segurar a tarifa por 45 dias, para uma análise detalhada de planilhas etc., proposta recusada pela prefeitura.

Custaria R$ 50 milhões segundo as autoridades. Até o final de 2013 são 4x 45 dias, ou os tais 4x 50 = R$ 200 milhões, próximos dos 240 que  falei acima. (Ah! Os números…)

Tudo bem, vá.

Sejam 360 ou 200, nessa grandeza, é menos que os 400 do bilhete mensal, de alcance restrito.

Dá pra entender?

Acho que dá.

Marketing x Recuo diante de uma manifestação popular.

Eis a questão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *