Transporte agora é no texto o que sempre deveria ter sido: um direito

Excelente notícia que o Lúcio Gregori acaba de trazer: segunda votação da PEC 74, a emenda constitucional que insere o transporte entre demais direitos essenciais, rolou e a aprovação foi por unanimidade. Será promulgada dia 15.

Imensa vitória estratégica. Um instrumento precioso para a população e seus movimentos demandarem políticas de acesso universal à cidade!

Vitória da luta de junho de 2013 – daquele junho de 2013 anterior ao manejo oportunista da direita – que colocou a PEC em andamento depois de dois anos de lentidão burocrática.

Sem luta a vida não muda.

Tales Ab’Saber sobre direito à cidade, Movimento Passe Livre e a crise do capital no Brasil

Em sua fala no seminário Cidades Rebeldes, organizado pela Editora Boitempo, em especial nos comentários, o psicanalista Tales Ab’Saber cita como referência a luta do Movimento Passe Livre pela socialização do transporte e o direito à cidade.

“(…) este movimento está tentando formular, no caso do Movimento Passe Livre isso é claro, alguma demanda de caráter universal e socializante. Livre acesso ao transporte público numa cidade como São Paulo e no Brasil é uma demanda para todos e é uma transformação na relação de classes no interior da cidade, e de salário, isso imediatamente significaria ganhos para a classe trabalhadora.”

Ilha Parelheiros

materiaparelheiros(foto: Vereda Estreita)

Evidenciada em abril deste ano, com interrupção de aula de Haddad, luta por transporte público no Extremo Sul de São Paulo persiste

por Mariana Gonçalves

Faz quatro meses desde que militantes do coletivo Luta do Transporte no Extremo Sul decidiram bater de frente, pela primeira vez, com o prefeito Fernando Haddad, ex-professor na pós-graduação em Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP). O protesto fora marcado para acontecer na própria universidade, onde, no dia – era 27 de abril –,  Haddad ministraria aula sobre “direito à cidade”. Cerca de quarenta pessoas, residentes da região de Parelheiros – sobretudo dos bairros de Marsilac, Barragem, Jusa e Bosque do Sol –, ocuparam a sala de aula e levantaram cartaz com os dizeres: “Haddad, como é que pode? Nosso bairro não tem transporte”. Apesar do desconforto do professor e de estudantes, o coletivo, que reivindicava a implantação de três linhas de ônibus de caráter rural, atingiu seu objetivo: dada a pressão, Haddad assinou documento em que se comprometia a comparecer à reunião onde se discutiriam as possibilidades de implantá-las. Continue reading “Ilha Parelheiros”

A tarifa como controle social e o racismo neoliberal

por Movimento Passe Livre Rio de Janeiro

policia-revista-suspeitos-blitz-manguinhos

Polícia Militar já declarou que vai aumentar seu efetivo de agentes para supostamente conter os arrastões nas praias na Zona Sul do Rio de Janeiro. Na prática, a tal OPERAÇÃO VERÃO tem como meta promover revistas e coação nos ônibus vindos da Zona Norte, principalmente das favelas do Jacarezinho e do Complexo do Alemão. Não por coincidência, os principais alvos dela são os usuários negros desse transporte coletivo. E isso tem ocorrido não só no município do Rio, mas em outras cidades do Estado do RJ. Continue reading “A tarifa como controle social e o racismo neoliberal”

Sucinto



Em menos de um minuto o Khaled, do MPL Floripa, resumiu muitas das questões centrais em jogo nessa caminhada rumo à tarifa zero. Uma entrevista atemporal, pelo menos até conquistarmos o novo modelo de transporte voltado para a vida da população e não para os negócios.

Mobilidade urbana como um problema

por Lucas Legume

Recentemente temos visto a questão da mobilidade urbana ganhar destaque nas discussões sobre a cidade. Parece existir um amplo consenso sobre a necessidade de permitir a melhor circulação das pessoas, resolvendo os problemas de trânsito caótico, diminuindo o tempo gasto em deslocamentos, ampliando as infraestruturas urbanas. Contudo, se pretendemos discutir mobilidade urbana a sério, é necessário ultrapassar aquele consenso e perceber como as contradições sociais presentes na cidade se expressam nesta temática. Continue reading “Mobilidade urbana como um problema”

Agora iremos para onde quisermos, quando quisermos e com quem quisermos

Antes de conquistarmos essa coisa louca que é a tarifa zero, cada um e cada uma de nós era forçado pelo sistema do tédio e da exploração na vida urbana à apenas esta série de passagens obrigatórias: o transporte para a escola ou o trabalho, a deprimente caminhada da tarde rumo aos lugares de consumo, em que se consome aquela mercadoria de massa que é o tempo livre.

A própria existência era assim vivida em espaços fechados, predefinida pelos próprios espaços. E não existia a possibilidade, dentro da sua utilização “convencional”, de sair do esquema já definido. Catracas. Abstratas, mesmo sendo concretas. Agora iremos para onde quisermos, quando quisermos e com quem quisermos.

Pelo direito ao “rolezinho” pela cidade/ A cultura de se chamar lazer de pobre de “arrastão”

Por Andressa Vieira

Quem pegou ônibus nas últimas semanas na cidade do Rio de janeiro pela zona sul observou uma presença ostensiva de policiais nos espaços públicos. Chegou a ter um carro do Choque em cada esquina e o tempo todo estes agentes abordavam e revistavam jovens negros com roupas simples que passeavam pela praia e ruas próximas.

Os ônibus que vêm da zona norte estão sendo escoltados por batedores (policiais em moto) e os responsáveis pela ação chegaram a alegar que seguiam “jovens sem camisa pra evitar arruaça”. Num Rio de janeiro que nos últimos dias chegou a ter sensação térmica de 50 graus, por que seria problemático alguém estar sem camisa a caminho da praia? Para um recorte de classes, é claro. Continue reading “Pelo direito ao “rolezinho” pela cidade/ A cultura de se chamar lazer de pobre de “arrastão””

Ele ajudou a fundar o Movimento Passe Livre, entrevista com Marcelo Pomar

por Coletivo Maria Tonha

Aos 19 minutos e 23 segundos de “Impasse”, documentário sobre as lutas contra o aumento da tarifa em Florianópolis, há uma cena que tem lugar no Fórum Social Mundial de 2005, ocorrido em Porto Alegre. Nela, Marcelo Pomar aparece segurando um microfone e lendo uma carta de princípios de uma organização “apartidária, mas não anti-partidária”. Era a plenária de fundação do Movimento Passe Livre, o MPL.

Oito anos mais tarde, o MPL vive seu momento de maior fama. Isso graças ao seu papel indutor nos protestos contra o aumento da tarifa de transporte público em São Paulo, que posteriormente acabaram se desdobrando em protestos massivos por todo o Brasil.

Já Marcelo Pomar, hoje com 31 anos, graduado em História pela Udesc e professor de xadrez, não está mais no dia a dia do MPL por conta do atual trabalho – é assessor de uma parlamentar na Assembleia Legislativa de Santa Catarina – mas segue sendo um dos principais quadros teóricos do movimento. Já falou no TEDxFloripa, em 2011, em apresentação intitulada “Por uma vida sem catracas”. No último dia 10 de julho, discursou no plenário da Câmara, em Brasília, em que comentou os recentes protestos que acometeram o país, além também de ter discorrido sobre o projeto Tarifa Zero.

O coletivo Maria Tonha realizou uma longa entrevista com Marcelo para falar sobre a fundação do MPL, as Jornadas de Junho e a Tarifa Zero. Continue reading “Ele ajudou a fundar o Movimento Passe Livre, entrevista com Marcelo Pomar”

A hora e a vez da tarifa zero

por Paulo Cesar Marques da Silva*

A tarifa zero no transporte coletivo urbano entrou definitivamente na agenda política nacional a partir das manifestações do Movimento Passe Livre. No Distrito Federal, o movimento levou o governo local a se comprometer com a formação de grupo de trabalho específico para estudar a viabilidade da proposta. Sem dúvida, um passo importante. Não tardaram a surgir, porém, na imprensa e na boca de gestores e lideranças políticas e empresariais, os primeiros argumentos contrários. Entre eles destaca-se o alto custo do sistema. Cabe aí a pergunta: alto custo para quem? Continue reading “A hora e a vez da tarifa zero”

Proposta de Emenda à Constituição No 90, de 2011

Da Sra. Luiza Erundina e outros

Dá nova redação ao art. 6o da Constituição Federal, para introduzir o transporte como direito social.

As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte emenda ao texto constitucional:

Artigo único. O art. 6º da Constituição Federal de 1988 passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.” (NR)

Justificação Continue reading “Proposta de Emenda à Constituição No 90, de 2011”

[São Paulo] Canção para o Movimento Passe Livre

Neste momento em que a imprensa tenta manipular a luta imediata pela revogação do aumento e a luta a longo prazo por tarifa zero, sugerindo uma luta “por outro país”, ou “contra a corrupção”, escolhi publicar na minha coluna aqui no TarifaZero a “Canção para o Movimento Passe Livre”, composta por Rodolfo Valente em 2006, para lembrar o verdadeiro motivo dessa revolta tão bonita que estamos vivendo na cidade de São Paulo. Por favor escutem e espalhem esta canção. De preferência em coro, nas ruas!

Canção para o Movimento Passe Livre
Rodolfo Valente

Para baixar clique aqui.

Para ouvir:

Clique em ‘continua’ para ler a letra. Continue reading “[São Paulo] Canção para o Movimento Passe Livre”

E desdobra-se a vida

Sempre damos um jeito de argumentar que o aspecto fundamental do transporte está nos hifens de transição do modelo “casa-escola/trabalho-casa”. Ou seja, que o transporte é elo vital para o acontecimento dinâmico da vida, numa dimensão maior do que a das obrigações produtivas, apesar desta ser inegável. Também defendemos reiterada e repetidamente que a transformar em realidade o sonho de um transporte gratuito, acessado por todos, em qualquer lugar, em qualquer hora e custeado pelas classes favorecidas que se beneficiam dele, é uma questão política, não técnica.

Pois foi isso que, indiretamente, argumentou o arquiteto Paulo Mendes da Rocha, em entrevista à Revista Brasileira de Psicanálise (vol. 46, nº 2, 2012). Saca só: Continue reading “E desdobra-se a vida”